Blog

APEF presente no Ministério do Meio Ambiente para tratar da conservação e uso sustentável das Araucárias

APEF presente no Ministério do Meio Ambiente para tratar da conservação e uso sustentável das Araucárias

A Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná (Fupef), fundação de apoio da UFPR, realizou intensa agenda de contatos em Brasília, na última quinta-feira (20), com audiências no Ministério do Meio Ambiente. Nas reuniões, a FUPEF apresentou a proposta da realização de uma segunda Campanha Nacional de Educação Florestal.

A primeira audiência foi com o representante do Ministro José Sarney Filho, do Meio Ambiente, o subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração, Romeu Mendes do Carmos, onde foram tratados diversos aspectos da situação atual da legislação florestal no Brasil e a apresentação pela Fupef do lançamento de uma 2ª Campanha Nacional de Educação Florestal no Brasil, a primeira campanha desse tipo realizada no país ocorreu há 61 anos, em 1956.

A reunião contou também com as presenças do Secretário Especial de Representação do Paraná, engenheiro florestal Luciano Pizzatto, e do presidente da APEF – Associação Paranaense de Engenheiros Florestais, Saulo Karvat.

A Fupef, representada pelo engenheiro florestal Marcelo Lubas, apresentou o formato e as metas para uma 2ª Campanha Nacional de Educação Florestal para os representantes do SFB – Serviço Florestal Brasileiro do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Nilton Batista – gerente de Fomento do SFB e ao seu assessor técnico, Rubens Mendonça.

Fonte: FUPEF
http://www.fupef.ufpr.br/fupef-discute-campanha-nacional-de-educacao-florestal-com-ministerio-do-meio-ambiente-em-brasilia/

Sebastião do Amaral Machado: da vida no campo ao reconhecimento na pesquisa florestal

Sebastião do Amaral Machado: da vida no campo ao reconhecimento na pesquisa florestal

São pesquisadores que, segundo os critérios estabelecidos pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), se destacam entre seus pares, alcançando o nível 1A, o mais alto na modalidade de bolsas Produtividade em Pesquisa.

O portal da UFPR está publicando uma série de reportagens sobre os pesquisadores 1A da universidade e o trabalho científico que desenvolvem.

Quem vê o professor Sebastião do Amaral Machado pelos corredores do Departamento de Engenharia Florestal, em passos lentos, mas vigorosos, pode não imaginar o quanto ele trabalha. Docente aposentado, já em regime de colaborador sênior, esse filho de agricultores dá expediente diário, em horário integral, e coordena dezenas de pesquisas. Prestes a completar 78 anos, o professor é um dos Pesquisadores 1A no CNPq na Universidade Federal do Paraná. O reconhecimento, em forma de verbas para pesquisa, é concedido aos pesquisadores com alto índice de produtividade.

A produção científica do professor Sebastião realmente impressiona. Até agora foram 425 trabalhos publicados em revistas científicas, anais de congressos e seminários nacionais e estrangeiros, livros e capítulos de livros. Além disso, atuou como orientador ou co-orientador de 238 estudantes de pós-graduação e participou de 193 bancas de mestrado, doutorado e concursos públicos.

O foco principal das pesquisas do professor Sebastião nos últimos 20 anos é a Bracatinga, espécie nativa na Região Metropolitana de Curitiba, onde a maioria das propriedades é de pequenos produtores. Por meio de trabalhos em parcerias com estudantes de pós-graduação, ele busca conhecimentos sobre como melhorar o manejo da espécie. As glebas podem ser cortadas a cada sete anos, produzindo lenha, escoras para construção civil e para plantações de legumes.

Para pequenos agricultores, possuir glebas dessa árvore funciona como uma “poupança verde”, que pode ser acionada para complementar a renda da família. O correto manejo, o aumento da produtividade e o combate a pragas são parte das pesquisas realizadas ao longo de muitos anos pelo professor e seus alunos. Isso inclui aspectos quantitativos, equações de volume e de filamento, biomassa e carbono, tópicos que já renderam dez trabalhos de mestrado e doutorado e mais de 40 artigos publicados no Brasil e no exterior.

Incansável, o professor Sebastião diz que a pesquisa científica é “um vício”. Sobre fatos marcantes da sua carreira, destaca quando foi escolhido pesquisador 1 A do CNPq – um feito para quem foi a primeira pessoa da família com curso superior. “Mudei meu destino. Meu irmão até hoje é agricultor, como meus pais”, revela.

Mineiro de nascimento, o professor Sebastião começou o curso de Engenharia Florestal em Viçosa (MG). No meio da graduação, por questões políticas, a Escola de Florestas foi transferida para Curitiba, sendo incorporada à UFPR. Assim, o diploma de graduação acabou saindo pela Federal do Paraná, em 1965. A carreira como docente começou logo depois, em 1967, na própria instituição. Como professor, teve a oportunidade de cursar mestrado, doutorado e pós-doutorado. Casado há 46 anos com Daniela e pai de três filhas, o professor não pensa em parar, sendo um exemplo de dedicação científica: “Quero continuar nesse ritmo enquanto a saúde permitir”.

Por Simone Meirelles
Foto: Samira Neves
Fonte: http://www.ufpr.br/portalufpr/noticias/sebastiao-do-amaral-machado-da-vida-no-campo-para-o-reconhecimento-com-a-pesquisa-florestal/

Seminário sobre o mercado florestal chega à região central do Paraná

Seminário sobre o mercado florestal chega à região central do Paraná

A segunda edição do Seminário Regional sobre o Mercado Florestal Paranaense, que desta vez será realizada no dia 28 de abril na região central do Estado, que inclui os municípios de Guarapuava, Irati, Inácio Martins, vai debater apresentar um panorama do mercado regional de madeira e as visões do produtor e do comprador, com a participação de profissionais de empresas do setor.

A Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre) está apoiando a Forest2Market do Brasil, realizadora do evento, juntamente com outras empresas e atores do setor florestal paranaense, para promover a série de seminários regionais. A primeira edição aconteceu no ano passado em Arapoti, e os cerca de 50 participantes debateram sobre o mercado da região Nordeste do Paraná, que abrange os municípios de Jaguariaíva, Arapoti, Telêmaco Borba, entre outros, e de alguns municípios da região Sul do Estado de São Paulo, que faz parte do mesmo mercado.

As inscrições devem ser feitas pelo link: forest2market.com/seminario_regional_do_brazil

Serviço:

II Seminário Regional sobre o Mercado Florestal Paranaense – Mercado Regional Centro do Estado

Data: 28 de abril, sexta-feira
Local: Centro Cultural Mathias Leh (Cooperativa Agrária) – Avenida Michael Moor, 1951 – Colônia Vitória, Entre Rios, Guarapuava (PR).

Programação

9h00 – 9h15: Registro
9h15 – 9h30: Abertura do evento
9h30 – 10h15: Panorama geral do mercado regional de madeira
Marcelo Schmid, Diretor da Forest2Market do Brasil
10h15 – 10h30: Coffee-break
10h30 – 11h15: A visão do mercado regional pela ótica do produtor de madeira
Adriane Villela, NGB Florestal
11h15 – 12h00: A visão do mercado regional nordeste pela ótica do comprador de madeira
Octavio Fernandez, Diretor da LP do Brasil e João Macohim, Gestor de Suprimentos da LP do Brasil
12h00 – 12h25: Perguntas e debate
12h25 – 12h30: Encerramento

Fonte: Assessoria de Imprensa Apre

Image

Instituição voltada a atender os desafios impostos para unir e defender a classe florestal no estado do Paraná, bem como oferecendo formas de atualização e melhoria dos profissionais.